Sábado, 12 de Dezembro de 2009

A memória

A memória é traiçoeira e nem sempre joga a nosso favor.

Acho que deve de haver assim uma memória diabinho e outra anjinho como nos cartoons quando aparece a consciência boa e a perversa.

Existem aquelas recordações que são boas, outras que não são boas mas que nos ajudam a esquecer através da raiva e depois todas as outras que estão gravadas cá dentro e que fazem com que esquecer seja impossível, já que nem sequer consigo entender.

E a minha veio de uma conversa super banal com um colega de trabalho que nem faz a mais pálida ideia da dor que aquela conversa tão inocente acabou por despoletar.

Falávamos de sabores de café porque tanto ele como eu temos uma máquina da Nespresso, e ao dizer-me que tinham saído novos aromas café com bolacha e café com castanhas, lembrei-me de como me tinhas dado a experimentar café com cardamomo (especiaria).

E hoje ao passear na Fnac dei comigo a ver os pacotes das X-Files e os livros de culinária, bem como o livro que a tua filha te pediu para o Natal.

Ás vezes penso como é estranho que não nos encontremos na rua, afinal vivemos na mesma terra (que não é assim tão grande).

Confesso que tenho passado os últimos tempos a olhar por cima do ombro com receio de te encontrar. Deixei de frequentar o café onde íamos os dois; no entanto agora acho que gostava de te encontrar.

É que eu tenho esta mania de enfrentar tudo de frente.

Gostava de te olhar nos olhos.

Gostava de perceber.

Gostava de ver se irias fingir que não me conheces, e gostava saber o que iria sentir ao ver-te.

Infelizmente para mim não te tenho raiva, só muita mágoa.

 

 

Adoro esta música...

sinto-me:
vivido por umdiadepoisdooutro às 21:53
link do post | diz lá... | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2009

...

Hoje não devia estar aqui.

Devia estar enfiada dentro da minha cama com os cobertores puxados até às orelhas; dentro do meu casulo.

Estou triste, esgotada.

Nada parece fazer sentido.

O meu coração parece que vai explodir de tantas dores acumuladas.

Afinal ainda tenho lágrimas...

 

 

sinto-me:
vivido por umdiadepoisdooutro às 16:43
link do post | diz lá... | favorito
Quinta-feira, 10 de Dezembro de 2009

Avó

No outro dia li a seguinte frase "Até um grande guerreiro necessita do seu descanso"...

E tu foste na realidade uma grande guerreira.

Durante 94 anos foste muitas coisas, criança, menina, mulher, mãe.

Viveste em África, ainda me recordo das histórias que contavas das cobras que apareciam no quintal.

Criaste dois filhos e três netos.

Viste os teus filhos irem para o Ultramar e regressarem sãos e salvos.

Ficas-te viúva e tiveste o maior desgosto da tua vida quando os teus filhos se zangaram e o mais velho cortou relações com o irmão e contigo. Isso foi há quase 20 anos. Viveste estes últimos 20 anos da tua vida com a mágoa da ausência do teu filho.

Vinte anos é muito tempo. Tempo de mais. Orgulho de mais...

Pois hoje (e ontem) ele esteve presente.

Tu estavas disposta a perdoá-lo bastava que te tivesse ído visitar. Talvez não tenha tido coragem de te enfrentar. De enfrentar a mãe e a mulher que sempre foste. Justa e muito directa. Que nunca deixou nada por mãos alheias, nem nunca mandou recados.

É triste que aconteçam estas rupturas, e eu sempre sofri por ti avó; porque acho que uma mãe nunca deve conseguir conviver bem com uma ausência tão provocadoramente presente. Porque ele estava ali ao lado, porque passava na rua e não te dirigia palavra.

Nada devia ser maior que o Amor, mas muitas vezes o orgulho e a ganância são.

Espero que estejas em paz.

Sofreste muito e por fim o teu corpo cansado deixou de resistir.

Descansa agora avó. Mereces o teu eterno descanso.

Amar-te-ei sempre!

sinto-me:
vivido por umdiadepoisdooutro às 16:12
link do post | diz lá... | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 24 de Novembro de 2008

More than words...

Custuma dizer-se que palavras leva-as o vento...

E é verdade, no entanto existem palavras que quando ditas magoam profundamente, outras que magoam pela sua ausência e outras tantas que nos fazem felizes.

É claro que o que acaba por contar são as acções, no entanto dou por mim a pensar em coisas que me disseram.

Palavras que apesar de verdadeiras, e talvez por isso mesmo me magoam e me entristecem.

Nada como colocar em palavras a realidade nua e crua, para acabar com as ilusões.

 

 

 

música: More than words - Extreme
vivido por umdiadepoisdooutro às 15:06
link do post | diz lá... | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Dias recentes

A memória

...

Avó

More than words...

Dias passados

Dezembro 2015

Outubro 2013

Dezembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

tags

todas as tags

favoritos

Um escândalo digno dos ta...

Memórias dos Pantufinhas ...

Em nome do Pai...

Sobreviver aos primeiros ...

Manual da Mulher Resolvid...

Testemunhos XXII

Como os empregos

Nudez

Adeus

Coisas do amor

Outras visões do mesmo Mundo

blogs SAPO

subscrever feeds