Terça-feira, 1 de Setembro de 2009

Devaneios...

De vez em quando sou assolada por pensamentos sobre isto ou aquilo...

Assuntos despoletados por este ou outro acontecimento, e que me fazem pensar e interrogar-me.

Se há algo que eu considero perfeitamente injusto em toda esta temática (já algumas vezes aqui falada por mim) do divórcio é que as crianças envolvidas tenham de sofrer.

Será possível que haja um divórcio dos pais sem que os filhos sintam que todo o seu Mundo ficou de pernas para o ar, sem que ninguém lhes perguntasse qual a sua opinião?!

Eu quero acreditar que sim; talvez pelo facto de estar a passar por essa situação.

Quero acreditar que o meu filho é uma criança feliz.

Porque também acredito que mais violento que um divórcio, será ser criado no meio de uma família onde não existe amor. Onde por vezes o amor deu lugar ao rancor, à desconfiança e à raiva.

Acredito que se os pais agirem no melhor interesse da criança, sem criarem dramas, sem fazerem públicos os seus ressentimentos, talvez a(as) criança(s) consigam passar um pouco mais à margem da situação. É claro que nada será como dantes. Passam a haver duas casas, dois quartos, dois de tudo...À prmeira vista poderá pensar-se que é uma situação de ganho, tudo a duplicar. Será se não forem feitas pressões; se a criança não sentir que tem de escolher; se o optar estar com um não signifique subtrair ao estar com o outro.

E aqui depende de nós, pais.

Por muito que o meu coração fique apertadinho quando o meu piolho vai passar uma semana ao pai, mostro-lhe sempre entusiasmo. Porque ele adora o pai, e porque o pai é muito importante na vida dele.

Houve umas duas ou três vezes em que ele chorou que não queria ír ou para o ír buscar, e aí fiquei em pânico. Pânico que ele não quizesse estar com o pai; pânico que me pudessem culpar disso.

Prefiro mil vezes que ele não queira falar comigo ao telefone quando lá está, do que desate a chorar a dizer que tem saudades minhas. É sinal de que está bem e feliz.

Prometi a mim mesma que nunca iria interferir no relacionamento dele com o pai, a não ser no sentido de facilitar. Não quero em nenhum sentido ser responsabilizada pela forma como eles venham a desenvolver a relação pai-filho.

O que me faz pensar noutra questão: sim senhora, sou muito "altruísta" no que respeita ao meu filho passar tempo com o pai, facilito todos os momentos que posso, não interfiro; mas, até que ponto iria o meu altruísmo se o meu filho me dissesse: mãe quero ír viver com o pai.?!

Conseguiria pensar só nele e no que o faria mais feliz? Sem me sentir mortificada porque ele não era mais feliz comigo?

Só esta consideração já é perfeitamente injusta, porque as crianças têm o direito de poder escolher sem pressões, mas acredito que essa escolha seja muito dificil.

Como dividir o que é uno? E mesmo quando não amam de forma igual ou não sentem ser amados de forma igual, escolher um amor em detrimento do outro é violento.

Mas eu penso que não têm de escolher. Têm que poder decidir com quem querem estar e quando. Sem imposições de tribunais ou de parte a parte. Pode não ser tão práctico, mas é concerteza mais saudável.

 

 

vivido por umdiadepoisdooutro às 13:10
link do post | diz lá... | ver comentários (6) | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Dias recentes

Devaneios...

Dias passados

Dezembro 2015

Outubro 2013

Dezembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

tags

todas as tags

favoritos

Um escândalo digno dos ta...

Memórias dos Pantufinhas ...

Em nome do Pai...

Sobreviver aos primeiros ...

Manual da Mulher Resolvid...

Testemunhos XXII

Como os empregos

Nudez

Adeus

Coisas do amor

Outras visões do mesmo Mundo

Os que acompanham os meus dias

Free Counter
Free Counter
blogs SAPO

subscrever feeds