Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008

Parêntesis...

Já passaram nove meses desde a separação, e regra geral até tem corrido bem.

A minha maior preocupação tem sido o bem estar do meu filho e confesso que tenho verdadeiro pânico de que ele possa ter um desenvolvimento emocional desequilibrado ou que sofra muito com a ausência do pai.

Mas até não...

Ele é um menino traquinas de 3 anos, perfeitamente integrado na escolinha, e que parece já ter interiorizado a nova realidade.

No entanto de vez em quando lá faz um ou outro comentário que deixa perceber que ainda não está completamente convencido..

Esta foi a última:

Estavamos a conversar e ele dizia que queria uma menina para namorar (só tem 3 anos - vejam bem isto), LOL .

Então eu perguntei (mesmo para ver o que ele dizia) se a mãe também podia ter um namorado, ao que ele respondeu: sim, o pai.

A isto eu respondi que a mãe e o pai são só amigos, e ele "mas também podem ser namorados".

Calei-me...

O que é que eu lhe posso dizer?!

Acho que o melhor mesmo é deixar correr o tempo e não dramatizar.

Ele vai crescer e a situação tornar-se-á mais... fácil ou difícil ?!

Veremos!

Agora o importante é viver um dia depois do outro.

sinto-me:
vivido por umdiadepoisdooutro às 09:45
link do post | diz lá... | favorito
4 comentários:
De justme_nina a 28 de Fevereiro de 2008 às 12:28
olá!

As crianças por vezes conseguem ser um bocadinho crueis... mesmo os de 3 aninhos. :)
Com o tempo ele vai-se habituar, certamente. Considero que o importante será vocês pais nunca o usarem como arma de arremesso.
As minhas primas são filhas de pais separados e a coisa tem sido muito complicada. 1º lugar apanhou-as na adolescencia e depois... foram usadas como arma de arremesso. Isto a juntar à falta de juizo propria da idade, mão tem sido fácil.

Mas o teu ainda é muito pequenino e certamente o vais educar MUITO BEM e com capacidades de compreensão. Vai ser um menino FELIZ!!!!

Jinhos e força!
De umdiadepoisdooutro a 28 de Fevereiro de 2008 às 14:47
Muito obrigado pela força.
Felizmente (por enquanto) isso não tem acontecido. Tanto eu como o pai tentamos manter uma "relação" cordial. O mais importante - acho eu - é não dramatizar, e como diz o título de um livro que vi divulgado no blog (As palavras que nunca te direi): "Os meus pais estão divorciados, mas não de mim".
Vamos levando um dia de cada vez.
De aLqUimISta a 29 de Março de 2008 às 14:59
"Ele há coisas a acabar
Mas há tantas a começar
Ficar atento
Saber usar
Saber dar tempo
Tempo que não há p’ra dar"
De umdiadepoisdooutro a 29 de Março de 2008 às 19:53
O Pêndulo - grande música.

Saber dar tempo é realmente muito importante, más ás vezes é difícil esperar que o tempo sare as feridas...
Obrigado pelo comentário.

Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

 

Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Dias recentes

"Clássico"

...

...

Por aqui...

Natal é...

Rendi-me!

reflexões

não te quero largar mais....

Férias...

Livros

Dias passados

Dezembro 2015

Outubro 2013

Dezembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

tags

todas as tags

favoritos

Um escândalo digno dos ta...

Memórias dos Pantufinhas ...

Em nome do Pai...

Sobreviver aos primeiros ...

Manual da Mulher Resolvid...

Testemunhos XXII

Como os empregos

Nudez

Adeus

Coisas do amor

Outras visões do mesmo Mundo

blogs SAPO

subscrever feeds