Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

Liberdade?!

"Quero voar
-mas saem da lama
garras de chão
que me prendem os tornozelos.

Quero morrer
-mas descem das nuvens
braços de angústia
que me seguram pelos cabelos.

E assim suspenso
no clamor da tempestade
como um saco de problemas
-tapo os olhos com as lágrimas
para não ver as algemas...

(Mas qualquer balouçar ao vento me parece Liberdade.)"

 

José Gomes ferreira

 

 

sinto-me:
vivido por umdiadepoisdooutro às 12:47
link do post | diz lá... | favorito
|
Terça-feira, 12 de Agosto de 2008

...

"O corpo não espera. Não. Por nós
ou pelo amor. Este pousar de mãos,
tão reticente e que interroga a sós
a tépida secura acetinada,
a que palpita por adivinhada
em solitários movimentos vãos;
este pousar em que não estamos nós,
mas uma sêde, uma memória, tudo
o que sabemos de tocar desnudo
o corpo que não espera; este pousar
que não conhece, nada vê, nem nada
ousa temer no seu temor agudo...

Tem tanta pressa o corpo! E já passou,
quando um de nós ou quando o amor chegou."

 

Jorge de Sena

sinto-me:
tags:
vivido por umdiadepoisdooutro às 13:00
link do post | diz lá... | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Julho de 2008

Poesia...

"Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada."

 

Fernando Pessoa

tags:
vivido por umdiadepoisdooutro às 10:19
link do post | diz lá... | favorito
|
Sexta-feira, 27 de Junho de 2008

"Morre lentamente"

"Morre lentamente
quem se transforma em escravo do hábito,
repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca
Não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente
quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente
quem evita uma paixão,
quem prefere o negro sobre o branco
e os pontos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções,
justamente as que resgatam o brilho dos olhos,
sorrisos dos bocejos,
corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente
quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho,
quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho,
quem não se permite pelo menos uma vez na vida,
fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente
quem não viaja,
quem não lê,
quem não ouve música,
quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente
quem destrói o seu amor-próprio,
quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente,
quem passa os dias queixando-se da sua má sorte
ou da chuva incessante.
Morre lentamente,
quem abandona um projecto antes de iniciá-lo,
não pergunta sobre um assunto que desconhece
ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior
que o simples fato de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos
um estágio esplêndido de felicidade. "

 

Martha Medeiros

 

LIndo, lindo, lindo!!!

tags:
vivido por umdiadepoisdooutro às 15:55
link do post | diz lá... | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Maio de 2008

Poesia VII

"Bom é que não esqueçais
Que o que dá ao amor rara qualidade
É a sua timidez envergonhada
Entregai-vos ao travo doce das delicias
Que filhas são dos seus tormentos
Porém, não busqueis poder no amor
Que só quem da sua lei se sente escravo
Pode considerar-se realmente livre"

 

Fernando Pessoa

 

 

Bom dia a todos!!!

tags:
vivido por umdiadepoisdooutro às 12:52
link do post | diz lá... | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Maio de 2008

Poesia V

"Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos."

 

Eugénio de Andrade

 

Este é um poema que define bem como me sinto hoje.

 

 

sinto-me:
vivido por umdiadepoisdooutro às 16:39
link do post | diz lá... | favorito
|
Terça-feira, 29 de Abril de 2008

Poesia IV

"Em ti o meu olhar fez-se alvorada,
E a minha voz fez-se gorgeio de ninho,
E a minha rubra boca apaixonada
Teve a frescura do linho"

Florbela Espanca


tags:
vivido por umdiadepoisdooutro às 15:41
link do post | diz lá... | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Abril de 2008

Poesia III

"Se eu pudesse trincar a terra toda
E sentir-lhe um paladar,
E se a terra fosse uma cousa para trincar
Seria mais feliz um momento...
Mas eu nem sempre quero ser feliz.
É preciso ser de vez em quando infeliz
Para se poder ser natural...
Nem tudo é dias de sol,
E a chuva, quando falta muito, pede-se,
Por isso tomo a infelicidade com a felicidade
Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies
E que haja rochedos e erva...

O que é preciso é ser-se natural e calmo
Na felicidade ou na infelicidade,
Sentir como quem olha,
pensar como quem anda,
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre,
E que o poente é belo e é bela a noite que fica...
Assim é e assim seja... "

Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)

Grandes verdades ditas de uma forma muito bela...


sinto-me:
tags:
vivido por umdiadepoisdooutro às 23:00
link do post | diz lá... | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

Poesia do beijo...

"Um beijo em lábios é que se demora
e tremem no abrir-se a dentes línguas
tão penetrantes quanto línguas podem.
Mais beijo é mais. É boca aberta hiante
para de encher-se ao que se mova nela.
É dentes se apertando delicados.
É língua que na boca se agitando
irá de um corpo inteiro descobrir o gosto
e sobretudo o que se oculta em sombras
e nos recantos em cabelos vive.
É beijo tudo o que de lábios seja
quanto de lábios se deseja."

Jorge de Sena

 

Achei que estas músicas complementavam bem o poema.... e que tanto quanto o poema  também estas letras descrevem toda a profundidade que se pode concentrar num beijo; nas emoções que se podem transmitir, e que o pode transformar num acto de intimidade mais profunda que a própria relação sexual (concordo contigo, amiga).

Um beijo pode aproximar almas de uma forma que trancende o contacto físico...

Kiss me, oh kiss me - David Fonseca

Leve beijo triste - Paulo Gonzo & Lúcia Moniz

Kiss from a Rose - Seal

and on, and on...


sinto-me:
tags: ,
vivido por umdiadepoisdooutro às 16:07
link do post | diz lá... | favorito
|
Domingo, 13 de Abril de 2008

Poesia II

"E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.
Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela."

Fernando Pessoa

 

 

sinto-me:
tags:
vivido por umdiadepoisdooutro às 19:29
link do post | diz lá... | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

 

Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Dias recentes

Liberdade?!

...

Poesia...

"Morre lentamente"

Poesia VII

Poesia V

Poesia IV

Poesia III

Poesia do beijo...

Poesia II

Dias passados

Dezembro 2015

Outubro 2013

Dezembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

tags

todas as tags

favoritos

Um escândalo digno dos ta...

Memórias dos Pantufinhas ...

Em nome do Pai...

Sobreviver aos primeiros ...

Manual da Mulher Resolvid...

Testemunhos XXII

Como os empregos

Nudez

Adeus

Coisas do amor

Outras visões do mesmo Mundo

Os que acompanham os meus dias

Free Counter
Free Counter
blogs SAPO

subscrever feeds