Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2015

"Clássico"

 

 

 

vivido por umdiadepoisdooutro às 10:25
link do post | diz lá... | favorito
|

...

Este texto do Miguel Esteves Cardoso assenta-me que nem uma luva. Vai ter de ser devagar...

 

"Como é que se Esquece Alguém que se Ama?

Como é que se esquece alguém que se ama? Como é que se esquece alguém que nos faz falta e que nos custa mais lembrar que viver? Quando alguém se vai embora de repente como é que se faz para ficar? Quando alguém morre, quando alguém se separa - como é que se faz quando a pessoa de quem se precisa já lá não está?
As pessoas têm de morrer; os amores de acabar. As pessoas têm de partir, os sítios têm de ficar longe uns dos outros, os tempos têm de mudar Sim, mas como se faz? Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e acções de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguem antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar.
É preciso aceitar esta mágoa esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si , isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução.
Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injecção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha.
Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado.
O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar."

Miguel Esteves Cardoso, in 'Último Volume'
http://www.citador.pt/textos/como-e-que-se-esquece-alguem-que-se-ama-miguel-esteves-cardoso
vivido por umdiadepoisdooutro às 10:06
link do post | diz lá... | favorito
|
Quinta-feira, 10 de Dezembro de 2015

...

Parece que o destino não quer que eu deixe de aqui voltar... Não consigo acreditar que tudo acabou mais uma vez! Cair, levantar, lá vou eu de novo... Porque e que o amor e tão frágil? Porque? Porque?

vivido por umdiadepoisdooutro às 02:16
link do post | diz lá... | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Outubro de 2013

Por aqui...

Nem sei quanto tempo depois dou por mim de volta.

Acho que porque estou a precisar da terapia que para mim é escrever.

Não tenho nenhum assunto em particular, apenas ando à procura de mim e talvez me encontre por aqui.

 

vivido por umdiadepoisdooutro às 12:30
link do post | diz lá... | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2011

Natal é...

Olá a todos!

Breve aparição apenas para desejar a todos os que andam pela blogosfera um Feliz e Santo Natal.

Por muito que muitos possam ser ou não Cristãos, e que por muito que pensem que o Natal é apenas um aproveitamento para o consumismo, e por muito que a crise se tenha instalado e que existam muitas dificuldades de toda a natureza, e talvez mesmo por tudo isto, não posso deixar de pensar sobre a essência do Natal.

Celebramos o Natal porque nasceu um menino, que veio ao Mundo em extrema pobreza e que a única verdadeira mensagem que quiz transmitir foi a de Amor, Comunhão.

Talvez esta altura de crise seja uma boa oportunidade para reflectirmos sobre o que é para nós verdadeiramente o Natal.

Natal é Amor, e o Amor esse não se compra portanto é de graça, com a vantagem que quanto mais se dá mais se recebe.

Natal é partilha, comunhão. E tanto podemos partilhar o muito que temos, como um sorriso, um abraço, uma palavra de apoio. A partilha e a comunhão também não estão à venda nas lojas.

Natal são os Presentes?! Também, mas se calhar a nossa noção de "presente" é que está distorcida, se calhar "presente" não quer dizer mais que a nossa presença junto daqueles que amamos. Darmo-nos aos outros e não darmos prendas caras aos outros. Que melhor oferta poderemos fazer que dar de nós, dar-mos o nosso tempo, o nosso carinho, atenção e Amor?!

Assim de repente parece-me que aquilo que precisamos para ter um Natal Feliz (partindo do princípio que as necessidades básicas de alimento e ter um local para viver estão asseguradas), não encontramos nas lojas, não se compra, e melhor ainda, não está nos outros - está dentro de nós!

Portanto, por muito que todos gostemos de oferecer e receber presentes (materiais), de ter mais isto ou aquilo e de podermos ficar tristes porque este Natal não vamos poder comprar ou dar, ou...talvez devamos respirar fundo, olhar para o nosso lado e verdadeiramente ver aqueles que nos rodeiam. Dar graças pelos tesouros que temos na nossa vida e dar o nosso Amor.

Muito Amor para todos neste Natal e sempre.

 

vivido por umdiadepoisdooutro às 13:37
link do post | diz lá... | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 5 de Agosto de 2011

Rendi-me!

Depois de muito yer ouvido falar do livro "Alice no país das Maravilhas", e de me sentir "envergonhada" por nunca o ter lido...lá resolvi agarrar o toiro pelos cornos (leia-se agarrar o livro pela capa e contra-capa).

Certo que já tinha visto (algures durante a minha infância) o filme,e tinha algumas lembranças de como na altura a história me parecera um pouco estranha, mas confesso que ter-te consecutivamente a dar exemplos do livro me despertou o interesse.

Pronto, comecei hoje.

Depois volto aqui para dizer de minha justiça.

 

vivido por umdiadepoisdooutro às 14:31
link do post | diz lá... | favorito
|
Quinta-feira, 4 de Agosto de 2011

reflexões

"Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir para sair daqui? - Isso depende muito de para onde queres ir - respondeu o gato. - Preocupa-me pouco aonde ir - disse Alice. - Nesse caso, pouco importa o caminho que sigas - replicou o gato." (Lewis Carroll -Alice no País das Maravilhas)

 

Engrançado como as coisas me acontecem...Tantas conversa à volta deste livro e hoje por mero acaso acabei por "tropeçar" nesta citação.

 

Acabei por andar com ela às voltas na minha cabeça a tentar perceber o que me estava a querer dizer, até chegar aqui:

 

Eu sei o que quero, sei para onde quero ír, no entanto não consigo encontrar o caminho certo para lá chegar. Sinto-me perdida sem saber que caminho seguir, apesar de saber para onde quero ír.

Talvez porque o caminho a seguir não seja meu; talvez eu esteja apenas num ponto do caminho à espera que tu chegues até mim, para então depois podermos seguir em frente os dois.

Já diz a sabedoria popular que "quem espera desespera" e eu muitas vezes fico e sinto-me desesperada...mas também diz que "quem espera sempre alcança", e é neste ditado que eu "aposto todas as minhas fichas".

Ou melhor, aposto em nós.

 

"Eu vou guardar cada lugar teu
ancorado em cada lugar meu
e hoje apenas isso me faz acreditar
que eu vou chegar contigo
onde só chega quem não tem medo de naufragar"

Mafalda Veiga

sinto-me:
vivido por umdiadepoisdooutro às 15:32
link do post | diz lá... | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 22 de Julho de 2011

não te quero largar mais....

Largar mais (Mafalda Veiga)

 

Meu amor há tempo
Se tu quiseres
Sem assombres, sem medo
Se te atreveres a ser
Completamente tu
Venha o que vier
Agarra bem o mundo

Acredita o tempo é sempre agora
Não há mais rodeios, desenganos ou demoras
Vê o teu sentido és tu
Com tudo o que trouxeres
Em ti, ainda

Eu sei que às vezes muito perto desfoca
E querer o mundo inteiro no peito, sufoca
Mas eu quero-te aqui
Eu quero-te em mim

Meu amor há tempo
Se tu quiseres
Sem assombres, sem medo
Se te atreveres a ser
Completamente tu
Venha o que vier
Agarra bem o mundo

Acredita o tempo, é sempre agora
Não há mais rodeios, desenganos ou demoras
Vê o teu sentido és tu
Com tudo o que trouxeres
Em ti, ainda

Eu sei que às vezes muito perto desfoca
E querer o mundo inteiro no peito sufoca
Mas eu quero-te aqui
Eu quero-te em mim

Eu sei que ao longe há sombras ausentes
Mas eu vejo-te em zoom e o meu plano é diferente
Eu sinto a tua falta
Não te quero largar mais

Não te quero largar mais
(14X)

 

 

Já soubemos o que é viver um sem o outro...já sentimos na pele a dor da separação, a dormência de uma parte de nós que nos falta e que nos leva a viver os dias sem cor e sem sentido.

Por isso agora "não te vou largar mais"...

Nunca mais!

sinto-me:
vivido por umdiadepoisdooutro às 09:50
link do post | diz lá... | ver comentários (1) | favorito
|
Quinta-feira, 21 de Julho de 2011

Férias...

Será que sou só eu que sinto que a semana pré-férias é a mais longa do ano?!

Especialmente o dia pré-férias?

Arrasta-se e arrasta-se...o tempo parece que não passa, e em oposição a nossa energia parece esgotar-se a um ritmo alucinante. A minha energia está a esvair-se a uma velocidade inversamente proporcional à velocidade da passagem dos minutos (juro que por esta altura parecem ter muito mais que 60 segundos).

É como se o meu corpo estivesse a entrar em shut down...célula após célula...(neste momento sinto que o shut down esta a atingir as minhas pálpebras que teimam e fechar, e ainda falta o dia de amanhã).

Penso que tal acontece porque acabamos por orientar os nossos dias/semanas/meses por objectivos/etapas, do género...só mais um esforço até ao dia x e depois posso fazer y. Como a cenoura na ponta da cana...

Depois, de um modo irónicamente sádico, o período de férias deve ter os minutos mais curtos de toda a história de todos os minutos. É que quase nem os vemos de tão rápido que passam.

Sinto-me cansada, esgotada a precisar de dormir e relaxar...

Mas quem é que me vendeu a "patranha" que as férias são feitas para descansar?! Decerto algum operador turístico...

Como é que é possível descansar quando andamos dum lado pro outro a visitar sítios, e etc e etc?

E que me dizem de umas férias do género, acordar, fazer pequenos-almoços, ír para a praia. Vir da praia, fazer almoço, almoçar, arrumar a cozinha, fazer o lanche, ír para a praia. Lanchar na praia, vir da praia, duches, fazer jantar, jantar, ír dar uma volta, voltar para casa, dormir. Relaxante??

Basta trocar a palavra praia por trabalho e assemelhar-se-ia aos restantes dias do ano. "Qualquer semelhança entre a ficção e a realidade é pura coincidência"(or something like that).

Mas, muda a paisagem...e vou poder fazer uma loucura e dormir até tarde...vá, até às 7h da manhã?! Lol.

Desenganem-se quem achar que me estou a queixar...Longe de mim, estou apenas a analisar o motivo do meu cansaço cíclico, lol.

Queixar de ír de férias?! NUNCA!

É que no meio de toda esta rotina stressante das férias, existem pequenos oásis que permitem recarregar baterias para o resto do ano...

É o toque do sol na minha pele; deitar-me na toalha de olhos fechados e ouvir o mar; mergulhar e sentir-me envolver pelas águas...é o riso do meu filho enquanto vai só dar "o último" mergulho...e as Bolas de Berlim com creme que só sabem bem na praia (Senhores e senhoras da ASAE tapem os olhos pf.).

Mas este ano vou-me esforçar por introduzir uma nova actividade nos meus dias de férias - me time (como diria uma amiga minha), ou seja uma meia-horita (há que começar por baixo) para eu fazer o que bem me der na veneta, ou simplesmente não fazer nada... Se conseguir que a moda pegue, pode ser que o consiga extrapolar para os períodos pós-férias.

O meu grande desafio para mim mesma é tentar não fazer nada durante esse tempo para mim. Tenho que aprender a relaxar, porque este é o verdadeiro motivo do meu cansaço cíclico, eu não sei estar sem fazer nada.

Depois conto como correu o desafio...

Boas férias!!

 

 

 

sinto-me:
vivido por umdiadepoisdooutro às 13:58
link do post | diz lá... | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 20 de Julho de 2011

Livros

Este livro (infelizmente) ainda não faz parte da minha lista de livros à espera de serem lidos. Este continua a fazer parte daquela imensa lista de livros à espera de serem comprados.

Tenho imensa curiosidade em o ler...Porquê? Talvez o facto de ser geóloga, ter estudado estes assuntos e ter feito na Faculdade um trabalho acerca do terramoto de 1755 me tenha avivado o interesse. A verdade é que de uma forma ou de outra, a maior parte de nós (Portugueses) foi sendo confrontado com o elevado risco sísmico a que Portugal continental está sujeito, e ainda me recordo de na escola secundária em Ciências da Natureza nos ensinarem quais as precauções que deveríamos tomar em caso de um sismo, bem como também me recordo qual o local que ocupava na sala (isto no 6ano do ciclo)...tínhamos todos um local para onde nos deveríamos dirigir em caso de sismo e todos os meses treinávamos para uma eventual emergência. Felizmente nunca foi necessário colocar o plano em prática, mas lembro-me de ter crescido com a ideia de que "mais dia menos dia, quando menos esperássemos seríamos atingidos por um novo terramoto". Mas adiante que já me estou a dispersar, voltando ao livro: tenho curiosidade em ler sobre como era Lisboa nessa época, como seriam as suas gentes, que tipo de sociedade seria aquela...extremamente temente a Deus e no entanto extremamente permissiva às tentações, de tal modo que consideraram o terramoto um castigo de Deus como punição pelos pecados cometidos pelos Lisboetas.

Tenho curiosidade em conhecer o lado menos científico da questão.

Aqui fica...

 

 

 

"Lisboa, 1 de Novembro de 1755. A manhã nasce calma na cidade, mas na prisão da Inquisição, no Rossio, irmã Margarida, uma jovem freira condenada a morrer na fogueira, tenta enforcar-se na sua cela. Na sua casa em Santa Catarina, Hugh Gold, um capitão inglês, observa o rio e sonha com os seus tempos de marinheiro. Na Igreja de São Vicente de Fora, antes da missa começar, um rapaz zanga-se com sua mãe porque quer voltar a casa para ir buscar a sua irmã gémea. Em Belém, um ajudante de escrivão assiste à missa, na presença do Rei D. José. E, no Limoeiro, o pirata Santamaria envolve-se numa luta feroz com um gangue de desertores espanhóis.
De repente, às nove e meia da manhã, a cidade começa a tremer. Com uma violência nunca vista, a terra esventra-se, as casa caem, os tectos das igrejas abatem, e o caos gera-se, matando milhares. Nas horas seguintes, uma onda gigante submerge o terreiro do Paço e durante vários dias incêndios colossais vão atemorizar a capital do reino. Perdidos e atordoados, os sobreviventes andam pelas ruas, à procura dos seus destinos. Enquanto Sebastião José de Carvalho e Melo tenta reorganizar a cidade, um pirata e uma freira tentam fugir da justiça, um inglês tenta encontrar o seu dinheiro e um rapaz de doze anos tenta encontrar a sua irmã gémea, soterrada nos escombros."

sinto-me:
vivido por umdiadepoisdooutro às 16:02
link do post | diz lá... | favorito
|

mais sobre mim

pesquisar

 

Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Dias recentes

"Clássico"

...

...

Por aqui...

Natal é...

Rendi-me!

reflexões

não te quero largar mais....

Férias...

Livros

Dias passados

Dezembro 2015

Outubro 2013

Dezembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

tags

todas as tags

favoritos

Um escândalo digno dos ta...

Memórias dos Pantufinhas ...

Em nome do Pai...

Sobreviver aos primeiros ...

Manual da Mulher Resolvid...

Testemunhos XXII

Como os empregos

Nudez

Adeus

Coisas do amor

Outras visões do mesmo Mundo

Os que acompanham os meus dias

Free Counter
Free Counter
blogs SAPO

subscrever feeds